Rosácea: Dermatologista do Hospital Samel explica os tipos da doença e tratamentos

Conhecida por ocasionar a vermelhidão sob a pele acompanhada de uma sensação de ardência, a rosácea é uma doença que pode ocorrer em qualquer pessoa com diversas formas de se manifestar.
 
De acordo com o médico dermatologista do Hospital Samel, Dr. Carlisson Zamith, “a rosácea é uma doença crônica difícil de ser eliminada por completo, porém, é possível controlar”  Segundo ele, as áreas mais afetadas são as bochechas, testa, nariz e queixo e as pessoas que possuem a pele sensível e oleosa são as mais propensas a desenvolver a doença.
 
Ao longo do tempo, a rosácea pode apresentar piora, levando a mudanças permanentes na aparência, caso não seja tratada. 
 
Em entrevista ao Blog Conexão Saúde, o Dr. Carlisson Zamith explicou que existem quatro tipos diferentes de rosácea, que possuem características próprias e formas de tratamento específicos. Confira:
 
Eritemato telangectasia
 
Essa é a forma mais comum da doença, provocando a vermelhidão na pele e com vasos aparentes. “Esse tipo de rosácea é mais facilmente notada na região central do rosto e se agrava com o consumo elevado de álcool, exercícios físicos e exposição solar. ” Outro sintoma comum é a sensação de ardência na pele.
“O tratamento é realizado com remédios anti-inflamatórios ou tratamentos a laser”, ressalta o dermatologista.
 
Pápula pustular
 
A rosácea do tipo pápula pustular tem como característica o surgimento de lesões que se assemelham a acnes. Nesse caso, “o tratamento também tem ação anti-inflamatória e pode ser tópica ou via oral”.
 
Fimatosa
 
De acordo com o Dr. Carlisson, “a inflamação causada por esse tipo deixa a pele mais espessa e vermelha, aumentando, em alguns casos, o tamanho de algumas áreas, como o nariz. Além disso, regiões do rosto e ao redor podem ser comprometidas e em casos específicos, intervenções cirúrgicas podem reduzir o volume de pele. ”
 
Ocular
 
A rosácea ocular acomete a região dos olhos, próximo aos cílios, originando descamação e vermelhidão. Quando não tratada, a rosácea ocular pode evoluir e interferir na visão do indivíduo. Nessa circunstância, os medicamentos devem ser indicados por um oftalmologista e a área deve ser bem higienizada.