Os Riscos Da Automedicação Para o Fígado

Os Riscos Da Automedicação Para o Fígado

O fígado é um órgão muito importante para o corpo humano, pois exerce diversas funções, como armazenar glicose, produzir proteínas nobres, desintoxicar o organismo, entre outros.

Por tamanha importância e por questões de cuidados com a saúde, ao notar qualquer problema, você não deve se automedicar. Vamos conferir neste artigo os perigos dessa prática.

Por que você não deve se automedicar?

A automedicação não é recomendada em nenhum momento, nem mesmo para leves dores de cabeça. Isso porque, ao notar algo diferente em seu organismo, você não tem conhecimentos suficientes para identificar o grau do problema.

Por exemplo, a própria dor de cabeça pode significa cansaço, mas também pode indicar problemas na visão. Sendo assim, se você tomar remédios sem saber que precisa passar em um oftalmologista e usar óculos, por exemplo, pode acabar mascarando o problema e nunca saberá, de fato, o motivo das dores.

Além disso, muitos medicamentos podem dar efeitos colaterais, intoxicação ou então prejudicar ainda mais algum órgão do seu corpo.

Cuidados com o fígado

Quando o assunto é o fígado, a automedicação pode trazer problemas ainda maiores, isso porque uma de suas funções é exatamente a metabolização dos medicamentos.

Dessa forma, o uso de remédios não indicados por um profissional da saúde pode sobrecarregar o órgão e trazer danos hepáticos, principalmente por conta de intoxicações.

Ao se automedicar, a pessoa não consegue ter a noção exata da dosagem e de qual tipo de medicamento é o mais ideal para aquele momento. Sem falar, ainda, no perigo da mistura de remédios.

A automedicação pode ocasionar problemas no fígado, como:

  • enjoos, vômitos e febre;
  • hepatite medicamentosa (DILI) uma inflamação do fígado causada por dano direto às células;
  • necrose hepática morte do tecido hepático;
  • insuficiência hepática perda da função do órgão.

Perigos da automedicação

Não somente o fígado está sujeito a sofrer com complicações por conta da automedicação. Outros perigos da prática são:

  • agravamento da doença que está tentando tratar;
  • mascarar sintomas;
  • aumentar a resistência de microrganismos ao medicamento em questão;
  • cruzamento de remédios, acarretando em intoxicações ou inibição dos efeitos;
  • reações alérgicas;
  • dependência.

Cuide de sua saúde e lembre-se: ao notar qualquer problema, vá até um médico especialista para que você seja diagnosticado e medicado corretamente.

Veja mais artigos como este no blog da Samel.