Infarto agudo do miocárdio: Causas, sintomas e tratamento


Caracterizado pela ausência ou redução da circulação do sangue no coração, o infarto agudo do miocárdio, popularmente conhecido como “ataque cardíaco” ou “ataque do coração”, pode ser fatal.
Estudos recentes da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) mostram que as doenças cardiovasculares – que afetam o sistema circulatório e o coração, matam mais que o câncer no Brasil.

Cerca de 350 mil mortes são registradas por ano no país causadas por infarto, insuficiência cardíaca e AVC, enquanto que o câncer é responsável por aproximadamente 190 mil mortes ao ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). 
No mundo, 17,5 milhões de pessoas vão a óbito todos os anos decorrente de doenças cardíacas, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Causas
 
O médico cardiologista do Hospital Samel, Dr. Paulo César Ferreira, explicou, em entrevista ao Blog Conexão Saúde, que o infarto acontece quando uma ou mais artérias responsáveis por levar o oxigênio ao coração, chamadas de artérias coronárias, são bloqueadas por um coágulo de sangue que se forma sobre uma placa de gordura existente na parte interna da artéria.

De acordo com o Dr. Paulo César, a presença de placas de gordura no sangue recebe o nome de ‘asterosclerose’. “O paciente que possui essas placas com algum grau de obstrução na artéria é portador da doença arterial coronariana. Conforme essa placa cresce, ela obstrui cada vez mais a artéria, fazendo com o que o indivíduo sinta dor no peito ao realizar esforços físicos (angina) ”.

Sintomas
 

Os sintomas do infarto são bem específicos, como a já referida dor no peito, de forte intensidade e sensação de aperto ou queimação, ardor semelhante à azia; dor peitoral que se irradia para a mandíbula, ombros e braços, mais frequentemente do lado esquerdo, além de palpitações prolongadas. “Suor em excesso, tontura e desfalecimento, náuseas e vômitos, ansiedade e agitação são manifestações clínicas que uma pessoa também pode apresentar ao sofrer um infarto”, ressalta o cardiologista.

Diagnóstico
O diagnóstico, em regra, é feito por um serviço de saúde de emergência e tem base nos sintomas apresentados e nos resultados do eletrocardiograma, além de exames de sangue. “O ecocardiograma pode ser muito útil em casos onde não há uma certeza do evento.
Quando confirmada a suspeita, métodos de imagem podem ser utilizados para investigação da extensão da lesão no miocárdio, os vasos envolvidos e o local da obstrução”, informa o Dr. Paulo César Ferreira.

Tratamento

O tratamento do infarto do miocárdio visa reduzir a lesão e evitar complicações que podem levar o indivíduo a óbito, o que inclui a administração de medicamentos para que o coração trabalhe de modo maneirado e para auxiliar a restauração da circulação sanguínea.

Dependendo do tipo de infarto e da gravidade do evento, a desobstrução das artérias pode requerer um procedimento mais invasivo, como a angioplastia e a cirurgia de revascularização do miocárdio.