A cor dos alimentos e sua importância para a saúde

“Quanto mais cor no prato, melhor!” Quem nunca ouviu essa expressão?
Já dizia a sabedoria popular, e também os nutricionistas, que nosso prato deve estar sempre recheado de alimentos coloridos. Uma alimentação balanceada é o segredo para ter uma boa saúde, e um prato bem colorido é uma garantia disso.
A cor dos alimentos revela parte de sua composição nutricional e pode ser uma boa referência para montar refeições balanceadas. De acordo com a nutricionista do Hospital Samel, Katiucia Naiara, “os alimentos coloridos são ricos em energia e naqueles bem-vindos antioxidantes antienvelhecimentos e podem oferecer ao nosso organismo compostos bioativos, que são aquelas substâncias que proporcionam vários benefícios à saúde”.


Os pigmentos representam muito mais do que apenas diferenciar um alimento do outro: possuem nutrientes com características distintas. Frutas, hortaliças e legumes possuem em sua composição, além de macronutrientes – proteínas, carboidratos e gorduras -, pigmentos como clorofila, carotenoides, curcumina, betalaínas, licopoteno, betacaroteno, entre outros.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), ingerir cinco porções diárias, variando nas cores,  o ideal. “Dessa forma, fortalecemos nosso sistema imunológico e nos preparamos para combater substâncias cancerígenas e muitas outras doenças”, ressalta a nutricionista Katiucia Naiara.

Alimentos vermelhos

O licopeno é a substância responsável pela cor vermelha (ou avermelhada) dos alimentos e age como antioxidantes. Tomate, melancia, morango, cereja, caqui, goiaba vermelha e framboesa são alguns exemplos de alimentos que contém a substância. Sendo fontes de carotenoides precursores de vitamina A.
Recentemente um estudo da Universidade Tufts, nos Estados Unidos, apontou que alimentos vermelhos, repletos de antioxidantes, ajudam na produção de neurônios e turbinam a memória. Eles ajudam a eliminar o estresse oxidativo, reduzindo os riscos de desenvolvimento de doenças tais como câncer, diabetes, Alzheimer e Parkinson.


Alimentos verdes

A coloração verde de alguns alimentos como abacate, folhas verdes e abobrinha, é resultado da grande quantidade de clorofila presente, cujos efeitos no organismo são inibição dos radicais livres, combate a substâncias cancerígenas, proteção do cabelo e da pele e desintoxicação das células.
O pepino, pimentão, couve, agrião, kiwi, por exemplo, podem prevenir doenças como o câncer, pois têm a capacidade de aumentar a energia das células e do nosso organismo. Eles contêm fitoquímicos, como os isotiocianatos, que ajudam a prevenir doenças.
Além disso, possuem luteína e zeaxantina, substâncias que blindam o organismo contra o câncer de colo e reduz o risco de degeneração macular, que vem atingindo cada vez mais pessoas em idade avançada.

Alimentos laranja

O betacaroteno é a substância responsável pela cor laranja de algumas frutas e verduras e também possui função antioxidante. O betacaroteno é quem dá origem à vitamina A no organismo, que é importante para o bom funcionamento da visão, o vigor da pele, a força de cabelos e unhas e a prevenção de infecções.
A substância também é responsável por manter o bronzeado duradouro. Suas principais fontes são damasco, abóbora, cenoura, manga e mamão.



Alimentos amarelos

Frutas como maracujá, abacaxi e laranja são importantes aliadas da imunidade. As frutas mais ácidas e cítricas são fontes de vitamina C, nutriente que aumenta a resistência a doenças. Também possuem antioxidantes que ajudam na resistência de ossos, dentes, tendões e parede dos vasos sanguíneos.

Alimentos roxos

Ameixa, beterraba, figo e uva são exemplos de alimentos roxos cujo principal nutriente é o ácido elágico, responsável pelo retardamento do envelhecimento e neutralização de substâncias cancerígenas.