Hospital Samel conquista recertificação “Diamante Prime” em fixação segura

O Hospital Samel conquistou mais um importante reconhecimento por estabelecer as melhores práticas em fixação segura: a recertificação “Diamante Prime. ” Concedida pela empresa 3M do Brasil, o nível máximo é concedido somente às instituições de saúde que possuem e mantêm as melhores práticas e procedimentos hospitalares, de acordo com os guias nacionais e internacionais de boas práticas, como INS, CDC, SHEA e Anvisa. A cerimônia de recertificação aconteceu no dia 01 de agosto, em Campinas, São Paulo.

A certificação é resultado de um processo de avaliação que aconteceu em maio, onde avaliadores da 3M estiveram no Hospital realizando entrevistas com os profissionais da área de enfermagem, avaliando seus conhecimentos nos quatro conceitos da fixação segura (estabilização, cobertura estéril, visualização do acesso e segurança), bem como a aplicabilidade nas unidades de internação.

Premiações anteriores

A Samel conquistou pela primeira vez o certificado em Fixação Segura em 2017, na categoria Diamante. No ano seguinte (2014), foi recertificada, entretanto, subiu um nível e recebeu a certificação Diamante Prime. Desde então, a instituição tem se mantido na categoria topo do Programa 3M de Certificação em Fixação Segura, reafirmando seu compromisso com a qualidade e segurança do paciente. Em Manaus, apenas três hospitais possuem o título e a Samel integra este seleto grupo.

Programa 3M de Certificação em Fixação Segura

O Programa 3M de Certificação em Fixação Segura tem a finalidade de estabelecer um protocolo de fixação de cateteres para reduzir o desperdício e os custos para o hospital, preservar o conforto do paciente e alinhas as instituições de saúde com as recomendações internacionais, como as da INS1 e do CDC2.

A Terapia Intravenosa (TIV) ocupa 75% do tempo dos profissionais de enfermagem, daí a sua importância na priorização e planejamento dos cuidados para com os pacientes. A falta de um protocolo sistematizado para a fixação segura acarreta, entre outras coisas, o aumento de complicações com a flebite, o extravasamento e as infiltrações, além de poder elevar as taxas de infecções associadas à TIV.